Google+ Badge

COMPARTILHE

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

AS COSMOVISÕES DA FILOSOFIA



SEÇÃO: ESQUEMA 1


Dr. Gerson N. L. Schulz
Professor do Ensino Superior no Brasil




Você sabe o que é uma "cosmovisão"? Já ouviu falar em "positivismo", "materialismo-histórico", "fenomenologia", "genealogia" e "perspectivismo"? Não? Então, na "seção esquema 1" de hoje, tenha acesso a um vídeo sobre o assunto e a um quadro comparativo.

E, após assistir ao vídeo e ler o quadro, analise seus filmes prediletos, seus livros, desenhos e outros, e descubra baseado em qual das teses abaixo os autores se inspiraram para escrever, produzir e pintar.








POSITIVISMO
MATERIALISMO HISTÓRICO

FENOMENOLOGIA

GENEALOGIA
PERSPECTIVISMO

COMTE – DÜRKEIM

HEGEL – MARX

HUSSERL – WEBER

NIETZSCHE – FOUCAULT

LEIBNITZ – NIETZSCHE

Funcionalismo

Dialética

Estruturalismo

Hermenêutica

Ontologia

* A sociedade é natural, representa a natureza das relações humanas;
* A sociedade evolui naturalmente de acordo com as leis naturais coercitivas em relação aos sujeitos;
* Para conhecer a sociedade o cientista deve empregar o método científico de forma neutra, o sujeito que investiga apreende a verdade;
* As leis específicas de evolução da sociedade determinam as funções sociais de cada fato social, grupo ou instituição. Problemas sociais como a fome, a miséria ou o desemprego são disfunções sociais e precisam ser corrigidos para que o organismo funcione bem.

* A sociedade é histórica, resulta do movimento contraditório dos sujeitos em relação às estruturas sociais;
* A sociedade se transforma pela ação contraditória dos grupos sociais que agem condicionados por estruturas sociais historicamente dadas;
* Todo objeto está inserido numa totalidade histórica dada;
* Todo sujeito está limitado na apreensão do objeto pelo horizonte histórico que compartilha;
* A sociedade esta estruturada a partir das relações econômicas e sociais correspondentes a cada período histórico;
* Um dado desenvolvimento tecnológico e uma dada relação de produção comum geram distintas classes sociais;
* A luta das classes sociais está condicionada pelo horizonte histórico destas relações sociais sob o qual se realiza;
* A sociedade chegará ao grau máximo de desenvolvimento histórico, humano, social quando, finalmente, a luta de classes ficar insuportável entre proletários e burgueses e os primeiros tomarem os meios de produção, gerando o socialismo e depois, o último estágio, o comunismo.

* A sociedade é cultural, conforma-se de acordo com a vontade dos sujeitos;
* É inerente à sociedade a existência de uma estrutura própria de desenvolvimento cuja descoberta de sua dinâmica cabe ao cientista social ou ao filósofo;
* As alterações dos processos sociais são resultantes das ações de sujeitos ou grupos que se associam para fazer prevalecer sua vontade;
* Para cada objeto e para cada sujeito há inúmeras possibilidades de apreensão, não há verdade, mas interpretações relativas a cada sujeito sob seu ponto de vista;
*A relação entre sujeitos e grupos sociais é permeada pelas disputas de poder que determinam a realização dos projetos do grupo vencedor;
* A forma de funcionamento da sociedade resulta destas disputas.

* A sociedade é aquilo que se interpreta de si mesma;
* As alterações dos processos sociais são o resultado dos discursos que a própria sociedade produz, então não existem essências de classes ou estamentos sociais;
*A genealogia busca o valor da origem e a origem do valor;
* O poder não está na riqueza ou na pobreza de alguém porque o poder não é algo que se possua, que se venda, ele é uma relação;
* Tanto ricos e pobres podem exercer poder, a sociedade então se configura e se divide entre aqueles que exercem mais ou menos poder não sendo, necessariamente e o tempo todo, sempre apenas o grupo mais rico o grupo dominante;
* A genealogia não se preocupa em saber o que é certo ou errado do ponto de vista moral, lógico ou epistemológico, entende que a verdade é um discurso que é aceito por determinado período de tempo e que há várias verdades que se enfrentam podendo prevalecer uma ou várias delas, dependendo do poder do grupo que a elabora e do poder do discurso de verdade produzido. 


* A sociedade e todas as instituições dela derivadas são apenas uma invenção;
* A sociedade é fruto daquilo que é capaz de interpretar sobre si mesma e o parâmetro para isso é o poder de interpretação dos indivíduos;
* Qualquer das teorias científicas, filosóficas, históricas, sociológicas são apenas um ponto de
vista;
* A verdade é o ponto de vista do expectador e depende dos parâmetros que ele toma para elaborá-la;
*As ciências humanas e naturais são apenas construções culturais sujeitas ao contexto ontológico dos indivíduos.
* Não há certo e errado em campo algum do saber, o que há são interpretações;
* O próprio conhecimento é uma invenção;
* Não há fatos, somente interpretações;
* Não há mais sujeito, somente indivíduos;
* O perspectivismo não trabalha com a ideia de "normal" e "patológico", o "moral" e o "imoral", pois eles também são invenções;
* Aquilo que se chama "verdade" é sempre aquilo que se presta para resolver um problema até que apareça outra solução melhor;
* Para o perspectivismo é inútil tentar compreender a totalidade, pois o conhecimento é sempre um fragmento. É sempre "mutatis mutandis".


terça-feira, 25 de agosto de 2015

A ILUSÃO DA MAIS-VALIA




Gerson N. L. Schulz
Professor de Filosofia no Brasil




Apiacás com João Ramalho - SP
Foto do arquivo pessoal de Gerson Schulz
Era julho de 2015, meio dia. Eu estava tomando um café com sanduíche num bar popular na esquina da rua Apiacás com a João Ramalho, nas Perdizes, em São Paulo. Estava calor. Apesar de ser inverno, o dia estava ensolarado e com nuvens esparsas.

Eu admirava – com a perspectiva de um cliente – a destreza e a rapidez com que o garçom preparava lanches, servia coxinhas, pães de queijo, aquecia esfirras no micro-ondas e, quase ao mesmo tempo em que cortava laranjas para espremer e preparar o suco que eu havia pedido, conversava com seus clientes conhecidos que iam chegando para o almoço. Outro colega dele cortava limões para preparar bebidas. Outro cozinhava atrapalhado pelos vapores quentes que saiam das panelas.

De repente as mesas vazias se encheram rapidamente. Duas mulheres jovens, com uniformes azuis que pareciam ser comerciárias, solicitaram sanduíches para levar. Induzi que estavam em horário de almoço e não teriam sequer tempo para comer ali.

Os trabalhadores no bar Nova Lisboa - SP
Foto do arquivo pessoal de Gerson Schulz


Havia umas trinta mesinhas de quatro lugares naquele estabelecimento que rapidamente ficaram cheias. As pessoas que as ocuparam não eram muito diferentes. Eram, na maior parte, pessoas vestindo uniformes. Entregadores de gás, vendedores, operários de fábrica e oficinas mecânicas, garis. E eu estava lá e, por um momento, me perguntei: o que fazia ali? Uma vez que aquele não era meu universo!

Não por preconceito, mas porque não sou paulistano, não sou operário de serviço pesado e não deveria estar comento sanduíches gordurosos de boteco que fazem mal para a saúde de qualquer um, mas foi circunstancial...

O mais estranho era estar ali pensando que não devia estar ali e analisando, ao mesmo tempo, as cenas. Pensava sobre quem eram aquelas pessoas e como suportavam sua rotina de trabalho. Então me lembrei de Karl Marx (1818-1883) que afirmava que o capitalismo era nefasto porque espoliava os trabalhadores, ao explorar o único bem que eles têm, sua força de trabalho.

Karl Marx
A teoria de Marx diz que os donos dos meios de produção (os capitalistas), detêm o capital e como eles detêm os modos de produção (as máquinas, os implementos, as terras e etc.), eles pagam o salário ao trabalhador que, em troca, vende sua força de trabalho (barata) ao capitalista. Barata porque, para Marx, ninguém ganha o quanto merece!

Assim, na esteira de Marx, eu me perguntei, por exemplo: em quanto tempo um pedreiro, um entregador de mercadorias, um motorista, um lixeiro, um empregado qualquer daqueles ali, naquele dia, precisava trabalhar para produzir seu salário?

Marx, em "O Capital", calculou que o tempo da metade de um dia é o tempo necessário que qualquer operário leva para produzir a riqueza para o capitalista pagar o seu salário. Dessa forma, o restante do dinheiro do tempo trabalhado (da outra metade do dia), fica com os donos dos meios de produção. A esse excedente Marx chamou de "mais-valia".

Por isso, de acordo com Marx, quando a classe trabalhadora tomasse consciência dessa espoliação – do fato de que o patrão fica com o resto da produção de um dia de trabalho e com a produção de todos os outros dias de trabalho do mês inteiro, faria uma revolução e tomaria para si os meios de produção. Momento em que deixariam de existir as classes sociais e adviria o regime socialista. As fábricas e os comércios iriam para as "mãos" de seus "donos legítimos", os trabalhadores; e a exploração desapareceria da face da Terra porque se acabariam as classes sociais, desapareceriam ricos e pobres.

Mas hoje essa teoria soa romântica e me soou também quando eu olhei para aquelas pessoas no bar da esquina da Apiacás com a João Ramalho. As mãos endurecidas, a conversa sobre um de seus maiores lazeres (futebol), mas também sobre o quando já tinham trabalhado naquela manhã antes do almoço. Suas vidas rotineiras que tinham por objetivo ganhar seu salário para pagar aluguel, alimentos, transporte, roupas, mandar os filhos para a escola, certamente ruim, da periferia onde moram.

Trabalhadores do Brasil! Gente que passa (como em São Paulo) horas dentro de ônibus e metrôs lotados, em pé, suados! Será que sonham? Perguntei-me naquele meio dia. Sonham, sim, pois em uma mesa havia um trabalhador que sonhava em comprar um par de alianças a prestações e se casar.

É, mas a utopia de Marx e Engels não aconteceu em lugar algum. Nem nos países do Leste europeu houve o fim das classes sociais nem na ilha dos Castro e nem na Ásia. O que ocorreu e ocorre é uma experiência malfadada de fascismo sob a alegada "ditadura do proletariado" em Cuba, na China, Camboja, Vietnã e em outros lugares do mundo. A "ditadura do proletariado" de Marx (esse domínio da sociedade por parte dos trabalhadores e o fim das classes sociais) é um sonho que, na prática, se transformou em pesadelo para milhões no mundo real pela falta de liberdade, de democracia, pela insistência na ideia de economia planificada dos socialismos! E, na antiga União Soviética, até por escassez de alimentos e produtos de primeira necessidade.

Mas a minha principal reflexão ali sentado junto àquele balcão de bar foi sobre o grau de justiça que há (ou não há) nos argumentos de Marx quando ele se preocupa com os trabalhadores. Então lembrei que se tem um grande problema em seus argumentos quando ele fala da mais-valia e lembrei também de um autor chamado Eugen Von Böhm-Bawerk (1851-1914) e de outro chamado Ludwig von Mises (1881-1973) que, separadamente, refutaram Marx e mostraram porque a mais-valia é um argumento falacioso.
Eugen Von Böhm-Bawerk

Para ambos, Marx não considerou que o capitalista tem que investir na produção, nas máquinas, nas matérias primas e pagar os salários dos empregados, tudo isso antes de receber o possível "lucro". Na prática, não há qualquer garantia de que o empregador receberá aquilo que investiu e mais um pouco (o capital necessário para continuar mantendo a produção). Assim, mesmo que o trabalhador fosse explorado e oprimido, ele já recebeu seu salário antes mesmo do capitalista iniciar a venda de suas mercadorias. Mas há exploração?

Eu penso que Marx acusa os capitalistas de apenas explorarem os trabalhadores, mas não diz que os capitalistas também precisam trabalhar, senão braçalmente, intelectualmente – realizando negócios para vender seus produtos a outros capitalistas, viajar para encontrar matérias-primas mais baratas, investir, se arriscar no mercado e pagar os impostos que os governos exigem para permitir que alguém inicie um negócio.

A teoria de Marx me levou a um exemplo incomum, mas não impossível. Vamos imaginar um pequeno produtor rural que tem um sítio onde produz hortaliças juntamente com sua família (esposa e filhos). Esse pequeno produtor precisa conseguir a terra (que pode ser sua por herança ou pode ser arrendada). Para produzir, ele precisa comprar as sementes, o adubo, os herbicidas, irrigar a lavoura. Suponhamos que em determinado período a safra foi maior do que ele pôde colher com a ajuda de seus próprios braços, da esposa e filhos e ele precise contratar um empregado para ajudá-lo. Ele negocia com o empregado um valor de $ 50,00 dinheiros por dia de serviço e lhe paga ao final da semana o combinado, ou seja, $ 250,00 dinheiros. Esse trabalhador, embora tenha trabalhado de segunda-feira a sexta-feira, ao fim da semana terá recebido seu pagamento, o pequeno produtor, não. Ele terá que esperar até o dia da feira-livre (no sábado) na cidade (onde geralmente ele vende seus produtos). Transportá-los (e com isso gastar tempo, combustível, dinheiro para alimentação de sua família durante o período de estadia fora de casa e etc.), e ainda torcer para conseguir vender todas as hortaliças na feira-livre. Ele assume algo que o trabalhador não pode assumir devido sua condição (e não assume porque não precisa), o risco.

O feirante poderá ou não conseguir vender todos os seus produtos. E mais, e se os outros concorrentes feirantes também tiveram superprodução naquele período? Isso significa que o preço das hortaliças, devido a grande oferta, será menor que na safra anterior, o lucro corre, assim, o risco de ser menor.

Ao seguir o raciocínio do feirante que contrata um empregado, seria possível dizer que um gerente de banco privado é um "oprimido" porque recebe salário e o pequeno produtor rural é um capitalista, algo que é um disparate porque um gerente de banco detém um poder de compra muito maior que o pequeno produtor rural.

Tênis de marcas famosas
fabricados em países que usam mão de obra
sabidamente escrava ou semi-escrava
como Cambodia e Vietnã
Fonte: arquivo pessoal de
Gerson Schulz

Mises aponta que, de acordo com Marx, todos os bens são fruto apenas do tempo gasto para produzi-lo e do trabalho do operário. Em outras palavras, Marx diz que uma mercadoria custa, por exemplo, $ 10,00 dinheiros apenas porque nela o trabalhador empregou um tempo socialmente gasto para produzi-la, mas há, para Mises nessa premissa, um erro. Nenhum produto vale apenas pelo tempo socialmente gasto pelo trabalhador para fabricá-lo. Pois se fosse assim, como poderíamos comparar o trabalho de um escultor com o trabalho de alguém que limpa a sarjeta? As pessoas pagam muito mais pela arte do escultor (como também pagam por uma garrafa de vinho caro ou por um quadro) do que a um faxineiro ou jardineiro que limpe suas casas ou gramado e, ao contrário do que diz Marx, isso nada tem que ver com o tempo socialmente gasto para produzir uma mercadoria ou prestar um serviço. Isso tem que ver com a relação psicológica que as pessoas mantêm com as mercadorias.

Marx também afirma em "O Capital" que a exploração existe porque a mercadoria rende ao capitalista muito mais além dos valores que ele gastou para produzi-la, mas Mises faz notar que ele esquece que a forma como as mercadorias são consumidas se transforma ao longo do tempo (e um dos fatores que lembro para mudar isso é a inflação), de forma que o preço de uma mercadoria hoje não será o mesmo amanhã. Marx, aqui, toma a parte pelo todo e quer forçar a conclusão a se tornar universal, mas ela continua valendo apenas para o âmbito particular.

O preço da mercadoria no mercado do futuro poderá ser maior, gerando mais dinheiro ao capitalista, mas também poderá ser, por infortúnio, menor, caso não seja vendido rapidamente. Isso, faço lembrar, sem abordar as mercadorias que são perecíveis e que precisam ser consumidas logo, mas que nem sempre são.

Marx comete outro erro quando, ideologicamente, quer instaurar o socialismo ao dizer que a exploração é a essência do capitalismo e por esse motivo ele deveria ser abolido. Isso não é verdade de acordo com um raciocínio simples e empírico. Suponhamos que um empresário que deseja abrir uma fábrica de sapatos faça o seguinte cálculo: "para abrir a fábrica eu (o empresário) preciso saber se ela dará lucro (do qual parte eu investirei na produção, parte pagarei os salários dos empregados e parte ficará para mim a fim de me sustentar juntamente com minha família). Como eu faço isso?" Ao fazer um exercício simples, por exemplo, suponha-se que para produzir um par de sapatos eu gaste $ 50 dinheiros. Para fazer esse cálculo é preciso saber ao menos os preços das matérias primas, o salário (em média) que terei que pagar a cada empregado participante do processo de produção, os meios de produção, seu desgaste natural e as matérias de produção auxiliares, preço das instalações, aluguéis e outros.

O outro fator é o capital variável que é a parte do capital usada pelo empresário para pagar os salários. O que Marx fez foi calcular o custo de produção e subtraí-lo do preço final do produto. Ele percebeu que ambos não eram iguais, pois havia um valor que aparecera como que por "mágica" sobre o produto. A esse produto, ele chamou "mais-valia". Porém, se na prática o empresário que quer montar uma fábrica de sapatos fizer o cálculo e, supomos que o cálculo apresente o resultado positivo de lucro como $ 20,00 dinheiros e eu somar a isso os $ 50,00 dinheiros, eu terei $ 80,00 dinheiros. O que Marx questiona é o surgimento dos $ 20,00 dinheiros e ele afirma que esse "plus" é força de trabalho não paga pelo capitalista e que é produzida pelo trabalhador. Isso na prática não é verdade porque nem sempre se terá $ 20,00 dinheiros para pagar o trabalho do assalariado, isso vai depender de uma série de condições independentes da vontade do capitalista como intempéries, custos de transporte, armazenamento; no caso dos sapatos, a moda, as tendências e etc. Outra variável que eu acrescento é o fato que todo empreendedor sabe, que por meses ou anos uma empresa costuma não dar lucro e, muitas vezes, o empreendedor tem que recorrer a empréstimos para cobrir até mesmo custos de produção ou salários. De certa forma, a mais-valia pode ocorrer, mas ela não é uma regra como Marx postulou, ela é uma exceção dentro do sistema capitalista.

Mises
Outro argumento que pode rebater a crítica marxiana à exploração capitalista quanto à mais-valia (considerando que Marx afirmou que o aumento da riqueza se dava em relação à exploração dos trabalhadores) é o fato empírico de que, nos dias atuais, percebe-se que as empresas que mais têm lucro no mercado não são aquelas que dispõem de grande montante de empregados (cuja força de trabalho, supostamente, geraria mais-valia para o capitalista), mas sim as que dispõem de poucos empregados.

Ora, se são as empresas que dispõem de poucos empregados que mais dão lucro, não tem sentido o argumento de Marx porque se demonstra aí que o capital gerado não advém de uma suposta exploração do trabalho do operário, o lucro tem, isto sim, outra fonte.

Nessa perspectiva, está certo, em parte, Böhm-Bawerk quando diz que "os socialistas desejam que os trabalhadores recebam mais do que trabalharam" e "mais do que receberiam se fossem empresários".

Eu divagava – sozinho ali no balcão – sobre esse assunto quando percebi que o garçom servia, apressado, uma bebida amarela em pequenos copos de vidro. Percebi que em todas as mesas estava presente aquela bebida, que cada vez mais ela era pedida. Fiquei curioso. Vendo-o apressado servindo, pedi desculpas por atrapalhá-lo e perguntei o que era aquilo. Ele me disse que era "batidinha", uma mistura de água, cachaça, suco de maracujá e açúcar. Eu disse: "ah...". Foi ali que percebi também que, esteja Marx errado ou não, os trabalhadores (especialmente aqueles que 'pegam no pesado') precisam se "drogar" bebendo álcool para aguentar o serviço a que estão submetidos todos os dias. Mas também pensei que os ricos também se drogam, só que com drogas mais caras como uísque doze anos e outras coisas... O fato é que nem o socialismo e nem o capitalismo nos fizeram felizes. Mas a pergunta que fica é: "o que nos faria felizes?"

Diante daquelas mãos calejadas dos trabalhadores. Dos rostos cansados. Da situação miserável de pobreza, espera por dias melhores e mais felizes e rotina monótona que assola nossas vidas medíocres, penso que naquele dia os operários no bar da Apiacás com a João Ramalho materializavam diante deste professor que vos escreve a situação prática que condiz com a frase predileta de um velho amigo meu que dizia: "só bebendo".


Referências

CARCANHOLO, Reinaldo. Sobre a Ilusória Origem da Mais-valia. In: Revista Crítica Marxista. São Paulo: v.16, p.76-95, 2003.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. Livro 1, v. 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.


segunda-feira, 30 de março de 2015

A FILOSOFIA NO COTIDIANO: O BRASIL E OS PROTESTOS DE MARÇO DE 2015


OPINIÃO POLÍTICA


Gerson N. L. Schulz

Filósofo



Muitos pensam que a Filosofia é apenas coisa de acadêmicos. Coisa de "liberais", de "políticos", de "esquerdistas" e até de "comunistas", apenas. Mas não! Por isso o objetivo deste artigo é mostrar como a Filosofia está presente no cotidiano, no dia-a-dia das pessoas desde a fila do ônibus quando alguém discute sobre os capítulos de sua novela preferida até a sua situação com a família ou a prestação da casa.

Assim a Filosofia é, ouso dizer, a arte da conversação. Da dialética, em termos mais filosóficos. Da discussão de ideias e, mais que isso, a busca da veracidade dos fundamentos de tais ideias (as que estão presentes em uma discussão). É por isso que se pode falar em Filosofia Política, Filosofia da Economia, Filosofia da Educação, Filosofia da Ciência, Filosofia da Matemática, Filosofia do Direito e etc.

Um exemplo do uso da Filosofia no cotidiano são as discussões sobre as paralisações do mês de março deste ano. Instalou-se uma "crise"! Pararam os caminhoneiros reivindicando melhores condições de trabalho, melhorias no preço do combustível e etc. No dia quinze de março houve também um protesto espalhado pelo país cujos cartazes e faixas reclamavam contra a corrupção generalizada nas esferas pública e privada. Alguns pediam a saída da presidente recém-eleita.

Mas as faixas eram díspares, confusas e o movimento não teve o resultado esperado. A "crise" continua e o governo eleito tem pela frente a difícil tarefa de fazer um ajuste fiscal e combater a corrupção em meio a acusações contra os partidos no poder, contra membros do governo e contra membros também da oposição! Por isso é que a crise continua... e continuará devido também às medidas impopulares que este "ajuste" acarretará.

Mas a tal "crise" – da forma que está sendo alardeada pela grande mídia brasileira, por seu turno –, me parece um exagero porque a corrupção é algo que faz parte do jogo das grandes empresas e de suas relações com os governos, não há nada de novo nisso! Mesmo na Grécia antiga, por exemplo, o grande administrador Péricles foi acusado – durante seu Governo em Atenas – de peculato, mas mesmo assim ele foi reeleito! A corrupção vem desde o mundo Antigo e os grandes meios de comunicação do Brasil – de forma positivista (porque qualquer telejornal apresenta os 'fatos' como ímpares, sem passado nem futuro) –, como se cada fato dependesse de si mesmo como a uma mônada e fosse atemporal. E a aparente "desconexão" entre as notícias publicadas permite uma interpretação isolada dos acontecimentos que é a forma como a maioria das pessoas vê o que a grande mídia constrói para explorar, visando também o lucro.


É claro que ninguém duvida que a corrupção seja algo nocivo para o coletivo e que deva ser combatida, mas da forma como é construído o discurso na mídia em geral a coisa toda se transforma em algo "espetacular" e esse "combate à corrupção" mais parece uma panaceia. E, como tal, impossível; panaceia que, na prática, tem o efeito de acalmar os ânimos em geral, por algum tempo... o que é outro jogo falacioso porque ao acalmar ânimos, dispersa-se qualquer descontentamento.

A crise existe, claro, mas é de fundo econômico que reflete na política (esfera das decisões humanas que fazem a economia) no círculo do poder. O governo Dilma deu muito "azar"! Primeiro certo despreparo em relação aos efeitos das crises externas; depois a crise hídrica nas hidroelétricas que anulou a "benesse" da diminuição da conta de energia elétrica. Além disso, a corrupção na Petrobrás (que não iniciou neste governo, mas é, ao que se conhece, uma 'tradição' de vários governos) e seus reflexos diretos sobre a figura da presidente. Também o governo Dilma paga agora a conta das "benesses" e malabarismos fiscais do governo de Luis Inácio Lula da Silva, como a redução do IPI e outros. Medidas que agradaram às classes populares porque lhes permitiu comprar mais, mas que agora retrai a economia por causa do "calote" de muitos compradores que não podem pagar suas dívidas.

Por outro lado, as classes sociais mais abastadas (pelo que se viu nas faixas e cartazes de quinze de março) também reclamam das políticas públicas do Governo do Partido dos Trabalhadores, especialmente o "Bolsa Família". Muitos que criticam estas políticas públicas pensam até que elas são de cunho "marxista" ou socialista ou até comunista, mas não são. Uma leitura filosófica pode nos elucidar que elas são de cunho bem liberal e se enquadram dentro de um sistema filosófico que se conhece pelo nome de Positivismo. Mas o que é Positivismo? O que tem que ver com o cotidiano?

Todos os brasileiros já se depararam com a frase mais marcante de tal filosofia: "Ordem e Progresso". Esse é o lema do Positivismo, doutrina fruto do século XIX e que os militares que proclamaram a república em 1889 abraçaram com ardor e como sinônimo de avanço. Os autores do modelo definitivo de nossa bandeira apenas subtraíram a palavra "amor". Eis o lema completo: "o amor por princípio, a ordem por meio e o progresso por fim". Há uma condição sine qua non aqui. Caso não haja ordem não haverá progresso! Mas pergunte-se: que ordem? De quem? Pergunte-se também: progresso para quem? Para quê? Que tipo de progresso?


Augusto Comte
O Positivismo criado pelo filósofo francês Augusto Comte (1798-1857), crê ilimitadamente no poder da ciência e afirma que todo conhecimento que não utiliza o método científico para chegar à verdade, é crendice. Assim, não merecem título de conhecimento os saberes populares ("chazinhos" medicinais, lendas) nem o conhecimento religioso que não deve ser chamado de conhecimento, visto que não parte da razão, mas da fé.

Estruturalmente o positivismo compara a sociedade a um organismo vivo. Isto é, como no corpo humano os órgãos têm uma função específica e – do bom funcionamento de todos depende a harmonia do sistema –, da mesma forma na sociedade a ordem em todos os setores mantém a coesão da mesma. Assim é possível comparar o distúrbio estomacal de alguém que bebeu demais a um setor da sociedade que está em greve, por exemplo. Tal qual o mau funcionamento dos órgãos no corpo humano causa um tremendo mal-estar geral, a greve dos transportes coletivos, dos lixeiros, dos hospitais causa mal-estar social. O "remédio", nesse caso, é um governo forte. Caso o "órgão social" não melhore, resta ser tratado ou até extirpado.

Socialmente, o Estado Positivista acentua a diferenciação entre os estamentos (grupos). Acredita-se assim que há, necessariamente, um grupo de pessoas que "nasce" para mandar (exercer o poder) e outro que "nasce" para obedecer, e esse é formado pela maioria do povo que, não sendo "capaz" – como seus líderes ou patrões –, nem "inteligentes", não deve discutir as decisões destes. Consequência direta disso é a submissão, a riqueza nas mãos de poucos e a pobreza nas mãos de muitos. – Lula só se elegeu quando fez acordos com o Partido Liberal e com empresários. Associou-se assim o projeto político do PT (diferente daquele de sua fundação) com os interesses das classes dirigentes do país, os grandes empresários e setores empresariais. Atitude também positivista uma vez que para ganhar confiança não só das classes que se dizia representar (os trabalhadores), também queria a simpatia das outras classes para estabelecer um governo da "harmonia"!



No Positivismo em geral é preciso que se formem grupos sociais estanques como militares, cientistas, políticos, catadores de lixo, professores e outros. Como se entende que cada grupo é importante para a sociedade assim como os órgãos para o corpo, cria-se uma moral que diz, grosso modo, que: "o estômago nunca chegará a cérebro". Sendo assim dificulta-se a mobilidade social, uma vez que os positivistas entendem que todos os grupos sociais são necessários. É claro que o trabalho dos lixeiros é importantíssimo, mas alardear que seus filhos devem ser sempre lixeiros, que não devem estudar e daí que o governo não tem obrigação de construir escolas para atendê-los é algo não só antidemocrático como imoral e esse era o pensamento de muitos positivistas no século XIX e ainda é no século XXI no Brasil.

Um caso para análise, o Programa "Bolsa Família", por exemplo. Este permite a uma pessoa pobre sair da pobreza? Não! Talvez, como alardeiam os defensores desta política pública, tenha diminuído a miséria de várias famílias brasileiras, mas não as fará sair da pobreza. Ao se tomar a filosofia positivista para analisar este programa, percebe-se que ele se enquadra nesta filosofia porque permite (ainda que longe do desejado pela economia) fazer girar a "roda do consumo". Quando alguém recebe este dinheiro e o utiliza para comprar mercadorias, faz girar a roda do sistema econômico capitalista. Essas compras trazem aumento da produção industrial, comercial, arrecadação de impostos para o governo e (conforme a ideia original) lucro para os capitalistas alojados e em conluio com o modelo de Estado burguês e conservador que é o Brasil atualmente. Nada tem de socialista e muito menos de comunista este programa. Na prática ele é positivista! O mesmo ocorre com programas estudantis. Eles (contrariamente ao pensamento de imobilidade social original do Positivismo, mas não sem escapar totalmente deste projeto) permitem que pessoas sem formação cheguem à universidade e se formem, mas isso também tem seu mérito capitalista, pois alguém que seja um engenheiro, médico, professor é importante na medida em que seja capaz de desempenhar um papel social e proporcionar o "progresso" dentro da sociedade. Além disso, é daí que sai a filosofia da meritocracia moderna. Ela é um tipo de filosofia que exalta a hierarquia e a legitima e, com isso, embasa todo o sistema burocrático dos governos contemporâneos. O que seria do exército se não houvesse a hierarquia? Como se manteria o poder dos superiores militares? O que seria do poder governamental sem a obediência civil?

Diminuto grupo de pessoas pede "intervenção militar"
no Brasil.
Local: Cidade de Pelotas - RS
Créditos da foto: Professor Eliézer Oliveira.
Outro caso para análise são as formas de protesto que se tem visto no mês de março de 2015. Estranhamente também são positivistas! É o caso do movimento dos caminhoneiros que, ao paralisar as rodovias, podem ser comparados dentro do positivismo a um "órgão que está com problemas" dentro do corpo humano, vamos compará-los ao fígado. Caso o fígado diminua as suas funções, todo o organismo sofre. Surge a esteatose, por exemplo. Depois as toxinas vão se acumulando por toda parte. O que faz o cérebro? Ele ordena que certas enzimas limpem tudo o que está causando mal. E foi isso que o governo federal fez ao atender algumas reivindicações dos caminhoneiros (embora não tenha acatado todas) para que o órgão com "defeito" dentro da estrutura social voltasse a funcionar harmonicamente. Com as estradas liberadas, tudo voltou à "normalidade", inclusive os ânimos de boa parte daqueles que protestavam. Tanto é assim que no dia quinze de março de 2015 não se viu qualquer estrada bloqueada, pois os interesses dos caminhoneiros já haviam sido atendidos, embora muitas das faixas que se viam nos protestos destes profissionais também pedissem a saída da presidente. Fica clara uma fragmentação entre os estamentos dos caminhoneiros e do restante da população, criou-se, devido a esta fragmentação, uma espécie de discurso da "raiva" pelas pessoas em geral em relação ao movimento dos transportadores de cargas!

Dentro de uma "filosofia marxista" ou de alguma forma de organização com base nas ideias socialistas, as coisas não se dariam assim. Todos os "estamentos" sociais se uniriam para formar uma "consciência de classe". Caminhoneiros se uniriam aos professores (de forma sólida e contínua e não acidental como houve no estado do Paraná) que também protestam, que se uniriam aos trabalhadores da segurança pública que também protestam, e estes se uniriam a outros trabalhadores em geral. Mas o que acontece não é isso, o que acontece é exatamente o que menciona o Positivismo, a desunião de classes e a formação de estamentos, grupos com interesses isolados. Permanece, assim, a visão individualista – travestida nos protestos – de visão coletivista. Aqueles que protestam (da forma como protestam) não chegam jamais a aprofundar a busca pela verdade e pela origem dos problemas sociais (papel que os filósofos sempre atribuíram à Filosofia desde o mundo Antigo). As pessoas que saem às ruas com faixas e cartazes ficam no superficial, no senso-comum. Não filosofam, não discutem ou debatem as ideias. São uma massa amorfa porque não tem "consciência" do que querem realmente! Qual é a causa que advogam, afinal? Combater a corrupção! Sim, mas importa dizer como, e isso elas não sabem! – Longe estamos do maio de 1968!

Outra ironia dos protestos (embora sejam casos isolados) são os pedidos pela volta do regime Militar. É uma contradição performativa isso, pois é pedir para acabar com o regime (democrático) que lhes permite protestar livremente já que uma ditadura é um estado de exceção! Daí decorre outra contradição, a ideia de que se deve "fechar" o Congresso defendendo que este é a fonte da corrupção! Esse comportamento é bastante positivista e, como tal, superficial, pois equivaleria a enviar enzimas e anticorpos contra o órgão com problemas e não contra o que está acarretando o mal-estar no corpo. O correto, em se tratando do fígado de nosso exemplo, seria mudar a alimentação! (No caso do Congresso, mudar os políticos!)


Por fim, este texto, como todo texto, é um ponto de vista, um discurso, porém por onde ando nas ruas ou nas salas de aula ouço um ou outro afirmar que se deve "fechar" o Congresso, "que era melhor na época da ditadura militar" sem perceber que a causa de muitos de nossos problemas é de fundo econômico, da falta de um projeto social mais amplo e até cultural e, por isso, não tenha dúvidas ao ouvir tais palavras: "eis mais um positivista, provavelmente, sem o saber...!"

HERMENÊUTICA DA MORTE



Gerson N. Lemos Schulz
Filósofo



O cenário de um velório me gerou esta reflexão sobre a morte. Ali, observando os túmulos (alguns abandonados outros imponentes) no cemitério, imóveis, cercados por flores murchas, secas, mortas... o choro, a tristeza da perda, o cheiro fúnebre das velas me penetrando as narinas... pensei no lugar que a morte ocupa no cotidiano e o espaço que damos a ela. Muitos a temem, mas ninguém pode afirmar absolutamente o que ela é. Para a ciência trata-se do fim das atividades de um organismo vivo. O fim das atividades cerebrais, já que o cérebro é responsável pelo comando das ações do organismo.

Mas ao contrário do que se pensa, não vejo a morte como experiência teológica. A vejo como experiência estética. Empiricamente, ninguém provou ainda que o homem possua uma alma imortal que sobreviva, e ainda mantendo sua identidade (pensamentos, lembranças, etc.). Muito menos determinou que haja um "lugar" para esta alma após a morte. Isso é, ainda, teologia. A estética é a parte da Filosofia que estuda os conceitos de beleza, belo, puro e seus contrários e se fundamenta num sentimento resultante de um conjunto de sensações internas ou orgânicas caracterizadas pelo bem ou mal-estar, tratando-se de um fundamento cenestésico. Você pode perguntar-me: "mas o que tem de belo no ato de morrer?" Respondo: depende do ponto de vista. E, ademais, não pode haver a "estética do feio"? Quando alguém afirma que algo é "feio" é porque tem algum juízo estético, o que nos permite pensar que o feio é também estético, porém, apenas, não se encaixa nos parâmetros estéticos de quem classifica algo como feio. E quanto ao "depende do ponto de vista" em considerar-se a morte passível de alguma beleza, é possível dizer que ela é bela no sentido do uso que a ela é possível dar. Por exemplo, o herói que morre para salvar outrem, sua morte (em si é 'feia'), mas no uso é "bela" quando alguém diz que o ato foi de um altruísta, heroico, exemplar! Assim, em termos filosóficos, me parece que a morte é uma experiência do corpo tal como a dor ou o prazer; e é a última, por sinal. De fato, morte é dor e é aí que ela se torna também estética.


Quando alguém morre num acidente automobilístico, nos milésimos de segundo finais de consciência, a dor do impacto se faz presente e é possível sentir a morte. O excesso de dor faz nosso cérebro "desligar" momentaneamente caso outros órgãos viscerais não tenham sido atingidos, ou para sempre, caso o corpo tenha sido irremediavelmente destruído. É o fim do eu.

Buda afirmou que tudo é dor. Mas talvez nem tudo. A vida também é prazer, e dor e prazer se relacionam com beleza e feiura, portanto: estética. E não é por acaso que castigo infrinja dor (é caminho para a morte), e recompensa incentive prazer, lembre uma "vida boa", uma vida bela. Igualmente, não se deve confundir prazer sempre com sexo. Ler, escrever, falar, comer, trabalhar, pensar e até rezar podem ser prazer para uns e outros.


Os conteúdos da vida são experiências estéticas: nascer, aprender, sentir dor ou alegria, saudade, raiva, tristeza, chorar, morrer. Nessa perspectiva, a morte não é passagem, qualquer ponte para outro lugar, nenhuma entrada para outro mundo. Ela faz parte da vida, é um ato concreto e também a última experiência do corpo.


Enfim, a morte é apenas a completude de um caminho iniciado na fecundação, sendo o fim de uma linha e não de um círculo em que se chega ao mesmo lugar de partida. A morte também é a experiência mais cruel, mais aterradora. Aquela que causa a dor permanente pela perda de alguém que jamais voltará. Quem fica é obrigado a viver "a" e "na" ausência do outro, além de ver prenunciado seu próprio fim. 

De outro ponto de vista, essa ideia pode levar à reflexão (a uma pedagogia da morte). Ajudar a pensar sobre o sentido do 'que se está fazendo', do 'que se vive' e transtornar a ótica da vida tal qual a cultura nos ensina, a dar uma segunda chance aos outros e a si mesmo sem que seja por causa do medo com que as religiões ameaçam àqueles que não perdoam. E por que não - quem sabe - fazer nascer uma nova ética. A ética daqueles que sabem viver e conviver sob a perspectiva da morte, nosso maior tabu.