Google+ Badge

COMPARTILHE

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

CÍRCULO DE VIENA: O TRISTE FIM DO PROFESSOR MORITZ SCHLICK

 Gerson Nei Lemos Schulz


Moritz Schlick - 1882-1936
Fazia dias que Moritz Schlick (1882-1936) estava preocupado, pois um de seus alunos a quem havia dado uma nota baixa em um trabalho o ameaçava de morte. Ele até procurou a polícia para pedir proteção, mas nada conseguiu porque naqueles dias de 1936 a Áustria estava cheia de policiais simpatizantes dos nazistas e Schlick não gostava dos nazis.
Antes dessas ameaças ele fundou em 1924, com Otto Neurath (1882-1945), Olga Neurath (1882-1937) e Rudolf Carnap (1891-1970), o Círculo de Viena. Movimento conhecido internacionalmente. De acordo com Reale (História da Filosofia, 1991, p. 992) ele era professor de Física, mas tendeu para a Filosofia.
O objetivo do Círculo era fundamentar a Filosofia, na época em declínio frente à Física e à Matemática, como ciência de rigor. Não se pode negar que em suas teses gerais as idéias de Kant (1724-1804) estão presentes, especialmente os juízos analíticos e sintéticos a priori e a posteriori. Mas o Círculo também seguia o Positivismo de Augusto Comte (1798-1857) que renovaram como neopositivismo, pois para eles só há sentido nas proposições que podem ser verificadas empiricamente, que vem da experiência sensível. Com isso Teologia, Metafísica, Ética e Moral são relegadas ao nível do sentimento e se tornam irracionais, portanto, não podem ser ciência.
O Círculo queria: 1) uma ciência unificada abrangendo os conhecimentos da Física e demais ciências naturais; 2) que o método para esse fim fosse a análise lógica; 3) que o resultado disso fosse a clarificação dos conceitos da Matemática e a eliminação da Metafísica; diz Zilles (Teoria do Conhecimento, 2006, p. 210).
Caso isso seja verdade, só é possível investigar proposições empiricamente verificáveis como, por exemplo: "água e óleo não se misturam." Esta é uma afirmação empírica porque é verificável. Já dizer: "Deus existe" é uma proposição sem sentido porque não pode ser verificada empiricamente. Logo, a Metafísica perde o sentido.
Para Zilles, Schlick também reformulou a teoria Kantiana dos juízos afirmando que só há juízos analíticos (os juízos da Matemática e da Lógica) e os sintéticos a posteriori. Destarte, afirmar que "João estava vivo quinze minutos antes de morrer" é uma tautologia, isto é, um conhecimento evidente que não acrescenta nada ao saber por ser óbvio. Para Schlick isso é o mesmo que afirmam a Matemática e a Lógica ao dizer:" 7 + 5 = 12".
Por outro lado há os juízos sintéticos a posteriori que provêm da experiência empírica, por exemplo: "esta rosa é vermelha". Alguém só pode dizer isso depois que viu a rosa. Para Schlick todo conhecimento ou é lógico ou é empírico. Por conseguinte, à Filosofia caberia apenas fundamentar as ciências empíricas por meio da Lógica. De tais discussões surgiram importantes temas de Filosofia da Linguagem como as línguagens artificiais, hoje empregadas nos computadores e na robótica, e os estudos de relação entre semântica e sintaxe.
Enfim, a mente brilhante de Schlick foi eclipsada quando em uma manhã, 22/06/36, o professor subia as escadarias da universidade de Viena e, ao topar com o infeliz e perturbado aluno, Johann Nelböck, este o surpreendeu com um tiro de pistola, acertando-o no peito e matando-o na hora.