Google+ Badge

COMPARTILHE

quinta-feira, 18 de abril de 2013

"ANUS SOLAR"





Gerson Nei Lemos Schulz


Escrito em homenagem
a Gilles Deleuze
e Félix Guattari 
Autores de: 
O Anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia



Gilles Deleuze e Félix Guattari
http://rede.outraspalavras.net
Deleuze e Guattari, em seu "O Anti-Édipo" (1972, p. 7), afirmam: "Isto funciona por toda a parte: umas vezes sem parar, outras descontinuamente. Isto respira, isto aquece, isto come. Isto caga, isto fode."

E continuam: "[...] O que há por toda parte são máquinas: e sem qualquer metáfora, máquinas de máquinas com as suas ligações e conexões. [...] O seio é uma máquina de produzir leite e a boca uma máquina que se liga com ela. A boca do anoréxico hesita entre uma máquina de comer, uma máquina de falar, uma máquina de respirar (ataque de asma)."

Essa reflexão me leva a outras. Não pode também a boca daquele que mama na mulher hesitar entre sugar o leite ou sugar o bico seco para satisfazer o falo; e a mulher não pode dar de "mamar" para satisfazer o desejo de sua máquina uterina, sedenta do leite da máquina homem para produzir outra 'máquina'?

Para Deleuze: "[...] todos somos 'bricoleurs', cada um com as suas pequenas máquinas. Uma máquina órgão para uma máquina energia, e sempre fluxos e cortes." Não somos máquinas que chupam, comem, bebem, cospem, ejaculam outras máquinas?

Dizem os autores: "O presidente Schreber tem raios de sol no cu. Ânus solar. E podem ter a certeza que isto funciona. O presidente Schreber sente qualquer coisa, produz alguma coisa, e é capaz de o teorizar. Algo se produz: efeitos de máquinas e não metáforas."

E este é apenas o primeiro parágrafo da obra mencionada!
E o conceito de máquina "bricoleur" e o "Anus Solar"? 
Como Descartes postulou no século XVII: "Penso, logo existo", e  com isso censurava a idade média ao afirmar que o corpo nada tem de sagrado, pois no mundo medieval caso alguém dissecasse um cadáver, era preso sob acusação de violar a obra de "deus". O 'bricoleur' é a colagem, o pastiche, o corte e o fluxo de energias e conexões.
Fonte: http://www.quadradodosloucos.com.br

Deleuze e Guattari autorizam a pensar que o homem é "máquina", mas não apenas racional, como imaginava Descartes. É "máquina de máquina", "máquina desejante". O homem e a mulher têm 'desejos'. De sexo, de comida, de abrigo, de vida, de morte... (suicídio!)

Humanos cagam, fodem, respiram, bebem, comem, vomitam... humanos consomem e produzem coisas, aquecem... teorizar é produzir discursos. Penso que é fazer-se claro diante dos outros humanos/máquinas é ser reconhecido, mandar os outros engolirem sua produção. É, com Foucault, subir ao topo de uma relação de poder?

Os dois autores fazem refletir: o "rabo" (palavra citada várias vezes ao longo da obra) é a porta de saída (ou de entrada) daquilo que se produz?

Deleuze e Guattari me fazem pensar no que eles chamam de "Anus Solar"...

É o chefe que comanda tudo? Que produz? Então, pela lógica, sua "merda" também deve ser consumida.
Assim, a "merda" (aquilo que ele/a fala, pensa, manda...) e a "merda" (fezes) vai/ão do esgoto para a terra/mente, de volta para a água/boca, para a lavoura/texto, portanto, para a máquina boca/palavra; dentro do alimento merda/discurso, ordem...

Come-se 'nós mesmos', come-se e bebe 'nossa merda' na água poluída, na comida contaminada,  se não a "merda" biológica, a "merda" pesticida. A "merda" fumaça! A "merda" em forma de lei. Na lei reina o excelentíssimo "Cu Solaris Mor", o cu do Estado que julga, condena e mata.

A vida se resume a comer, foder e defecar! E os nossos líderes? Não são o "Cu Solaris" porque são os chefes? Produzem também toda "merda" que as máquinas menores (nós) podem/mos consumir. Afirmam Deleuze e Guattari: "Anus Solar".

Os chefes têm o 'sol no cu?' Caso tenham, então ele/s é/são o "Cu Solaris". Parece-me que o chefe não é um pavão por causa da vaidade, ele não esconde os pés como aquele, ele esconde o "cu" atrás do sol que tem dentro do seu rabo!

Assim, o chefe é o "Cu Solaris" por excelência porque, quem mais poderoso que o astro rei? O chefe é o rei. Que todos o obedeçam! Ele manda nas reuniões, brilha nas festas. Só ele se senta em uma mesa com outros chefes! Ele precisa mostrar o sol dentro do cu para os subordinados verem e ficarem cegos de admiração!

Mas dois chefes (Cu Solaris) na mesma festa, mesa... na mesma sala... só se toleram se forem de departamentos diferentes, e por pouco tempo, pois não pode haver dois sois no mesmo sistema solar.


"Cu Solaris"
Desenho de: Gerson N. L. Schulz

O "Cu Solaris" pode "foder" os outros (foda simbólica e também foda literal) e ser fodido ao mesmo tempo (dependendo da preferência sexual do chefe masculino, pois se for chefa é outra história...).

Os raios solares produzidos pelo "Cu Chefal" trucidam, cortam, escolhem, eliminam, julgam, ligam, dissimulam, desligam, justificam, e também promovem quem sua vontade anal desejar. Talvez outros "cus" menores que têm potencial, mas ainda não oferecem perigo para seu reinado.

Acredito que há vários tipos de Cu Solaris: o chefe na empresa – "Ânus Capitalista"? O capataz de fábrica ou de loja – "Ânus Gerente"? O chefe de escritório, de sala de aula, mestre de obras, engenheiro – "Ânus Epistemológico"? Na igreja – papa, cardeal, bispo, padre – "Ânus Religioso"? No quartel e na polícia – general, coronel, major, capitão, delegado, escrivão – "Ânus D'armas? Nas religiões: Moisés, Maomé, Jesus, Buda, Krishna "Ânus mestre", o "Ânus Universalis", pois podem até mesmo, "foder" a máquina homem na vida após a morte (caso ela exista).

O "Ânus Solar" é poderoso, tão poderoso que, quando se aposenta, não perde a majestade, ele apenas a tem enfraquecida, "Anus Rubro", como as estrelas que ficam vermelhas à beira da morte.

"Outros tipos de Ânus Solar"
Desenho de: Gerson N. L. Schulz
Caso isto esteja correto, sempre me pergunto: o que fazer contra a atitude anal dos chefes? Como se defender disso? Como não ser fulminado por seus raios? Pois, caso o subalterno se rebele, pode ser trucidado pelo "Cu Solaris".

Por um lado, ou se come o que a máquina chefal produz ou, por outro, se "come" a própria máquina chefal, mas isso se se quer e se deseja um dia ter também o sol no 'rabo'. 
Penso que o problema é quando não se deseja nenhuma das duas opções, aí resta ser expulso do jogo anal, ou seja, 'se foder' porque... é o chefe quem tem o 'cu iluminado' e não você ou eu.

Por fim, não gosto de escrever sobre conselhos, mas é bom não esquecer, se entrar no jogo anal (qualquer que seja) lembre-se que o chefe não deve ser julgado pela cara, seu currículo começa por aquilo que produz. O chefe, se isso está correto, deve ser admirado ou odiado pelo ânus, pois não é a toa que tudo que ele/a faz, corta, liga, aprova, desaprova, recomenda, gosta, produz fica registrado em seus fulgurantes "anais"...

4 comentários :

  1. ei Gerson! estava na internet procurando uma explicação para a história do sol no cu de Deleuze… encontrei um artigo de um cara da UFRGS sobre literalidade e metáforas, e agora o seu - gostei mais do seu. Parabéns pela criatividade, mesmo que a citação dos dois tenha sido usada para se falar sobre as relações de poder e não especificamente do texto, ajudou pra caramba!
    Abraços
    Lorena

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Lore,

      que bom que você gostou. Fiquei feliz porque meu texto ajudou outra pessoa. Espero que tenha contribuído para o debate dessas ideias! Muito obrigado por comentar.

      Excluir
  2. Sou oprimido pelo minha chefe. Queria mandar ela tomar naquele lugar!

    ResponderExcluir
  3. acredito que seja uma referencia a bataille..

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar os trabalhos dos autores publicados.